O Estágio Curricular Supervisionado é considerado o ato educativo supervisionado envolvendo diferentes atividades desenvolvidas no ambiente educacional, que visa à preparação para o trabalho educativo. Assim, o estágio objetiva o aprendizado de vivências próprias do educador matemático e a contextualização curricular, com foco no desenvolvimento de práticas educativas para a vida cidadã e para o trabalho. É uma ação pedagógica, obrigatória, de parceria entre o IFSP Câmpus Hortolândia e a escola de Educação Básica, preferencialmente pública, com o intuito de aprimorar a formação do futuro docente. Por esse motivo, ele é pensado como um movimento amplo do estagiário na escola e na comunidade que a cerca. Segundo o Parecer CNE/CP 28/2001, também são importantes nessa etapa de formação o contato com a elaboração do projeto pedagógico, a organização das turmas e os espaços escolares.

Para sistematizar o processo de implantação, oferta e supervisão de estágios curriculares, observamos o Regulamento de Estágio do IFSP, Portaria nº. 1204/IFSP, de 11 de maio de 2011, elaborado em conformidade com a Lei do Estágio (Nº 11.788/2008) e a Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015, do CNE, dentre outras legislações.

O estágio se inicia no quinto semestre do curso e será orientado, de forma coletiva ou individual, pelo Professor Orientador de Estágio. Os Professores Orientadores de Estágio são docentes do curso de Licenciatura em Matemática, indicados pelo colegiado e designados pelo diretor-geral do câmpus, mediante portaria, com atribuição de duas aulas para essas orientações a cada grupo de vinte alunos.  Em cada semestre, o estagiário deverá cumprir 100 horas com atividades acordadas com os Professores Orientadores de Estágio.

A primeira metade do estágio é dedicada aos anos finais do Ensino Fundamental, tanto regular quanto EJA. No quinto semestre, o aluno realiza observações referentes ao conhecimento do espaço escolar, documentos da escola,  processos de avaliação, reuniões de pais, reuniões pedagógicas, projetos, aulas e demais atividades inerentes à prática docente. No sexto semestre, as ações são direcionadas para a sala de aula e para a relação professor-aluno, com participações na aula do Professor Supervisor (professor da turma), discussão de planos de aula, planejamento e regência de atividades com essa turma.  A divisão para a segunda metade do estágio se mantém, substituindo os anos finais do Ensino Fundamental por Ensino Médio, tanto regular quanto EJA e profissionalizante.

Entre as várias atividades contabilizadas para o cumprimento das 400 horas do estágio, estão a participação em reuniões pedagógicas, reunião de pais, o estudo dos documentos da escola, o acompanhamento nos processos de avaliações externas, a observação e a regência em sala de aula ou qualquer outra ação previamente acordada.

Com o estágio supervisionado, objetiva-se, portanto, auxiliar na compreensão do papel social da escola e no domínio do conhecimento pedagógico, de acordo com o Parecer CNE/CP 09/2001: 

  • compreender o processo de sociabilidade e de ensino e aprendizagem na escola e nas suas relações com o contexto no qual se inserem as instituições de ensino e atuar sobre ele;
  • utilizar conhecimentos sobre a realidade econômica, cultural, política e social, para compreender o contexto e as relações em que está inserida a prática educativa;
  • participar coletiva e cooperativamente da elaboração, gestão, desenvolvimento e avaliação do projeto educativo e curricular da escola, atuando em diferentes contextos da prática profissional, além da sala de aula;
  • promover uma prática educativa que leve em conta as características dos alunos e de seu meio social, seus temas e necessidades do mundo contemporâneo e os princípios, prioridades e objetivos do projeto educativo e curricular;
  • estabelecer relações de parceria e colaboração com os pais e/ou responsáveis dos alunos, de modo a promover sua participação na comunidade escolar e a comunicação entre eles e a escola;
  • criar, planejar, realizar, gerir e avaliar situações didáticas eficazes para a aprendizagem e para o desenvolvimento dos alunos, utilizando o conhecimento das áreas ou disciplinas a serem ensinadas, das temáticas sociais transversais ao currículo escolar, dos contextos sociais considerados relevantes para a aprendizagem escolar, bem como as especificidades didáticas envolvidas;
  • utilizar modos diferentes e flexíveis de organização do tempo, do espaço e de agrupamento dos alunos, para favorecer e enriquecer seu processo de desenvolvimento e aprendizagem;
  • manejar diferentes estratégias de comunicação dos conteúdos, sabendo eleger as mais adequadas, considerando a diversidade dos alunos, os objetivos das atividades propostas e as características dos próprios conteúdos;
  • identificar, analisar e produzir materiais e recursos para utilização didática, diversificando as possíveis atividades e potencializando seu uso em diferentes situações;
  • gerir a classe, a organização do trabalho, estabelecendo uma relação de autoridade e confiança com os alunos;
  • intervir nas situações educativas com sensibilidade, acolhimento e afirmação responsável de sua autoridade;
    • utilizar estratégias diversificadas de avaliação da aprendizagem e, a partir de seus resultados, formular propostas de intervenção pedagógica, considerando o desenvolvimento de diferentes capacidades dos alunos.

Para garantir o acompanhamento dessas ações, o Professor Orientador tem as seguintes atribuições:

  • divulgar o regulamento do estágio aos estudantes;
  • orientar o preenchimento e submissão de documentos junto à Coordenadoria de Extensão (CEX);
  • orientar e acompanhar o plano de atividades de estágio;
  • visitar os ambientes de estágio, se julgar conveniente;
  • avaliar as atividades desenvolvidas no estágio;
  • verificar e validar as horas computadas como estágio;
  • fomentar as discussões das vivências do estágio individualmente e em reuniões coletivas;
  • dar suporte pedagógico às atividades desenvolvidas no estágio;
  • validar as atividades de estágio por meio de documento específico.

O principal instrumento de avaliação do Estágio Supervisionado é o relatório semestral de estágio entregue ao Orientador de Estágio. Esse é um documento de reflexão, elaborado com base nos referenciais teóricos estudados no curso, nas experiências realizadas nas escolas e discutidas nos momentos de orientação. Fica arquivado na coordenadoria de extensão, sob responsabilidade do Coordenador de Estágio, após validado pelo Professor Orientador  e pelo próprio Coordenador de Estágio.

            Este PPC incorpora, nas ementas das Práticas Docentes, Educação em Direitos Humanos, História da Educação, Educação e Sociedade, História da Ciência e Tecnologia e Educação para a inclusão, temas essenciais aos cursos de licenciatura, tais como a formação de professores capacitados para  EJA, educação profissionalizante,  educação indígena e de estudantes com necessidades educacionais específicas, estimulando essa discussão e a realização de parte das horas de estágio com a atenção voltada a esses grupos.

Os seguintes itens serão levados em conta no que diz respeito à avaliação e à aprovação do período de estágio, conforme Portaria nº 1204, de 11 de maio de 2011:

  • a compatibilidade das atividades desenvolvidas com aquelas previstas no Plano de Atividades de Estágio previamente aprovado;
  • a qualidade e eficácia das atividades realizadas;
  • a capacidade inovadora ou criativa demonstrada pelo estagiário;
  • a capacidade de o estagiário se adaptar socialmente ao ambiente institucional.

O resultado das atividades  do estágio  é registrado no fim de cada período letivo, por meio das expressões “cumpriu” / “aprovado” ou “não cumpriu” / “retido”.

O regulamento do Estágio foi aprovado pelo Colegiado do curso no dia 05 de dezembro de 2018.

O atual professor orientador de estágio é o Ricardo Inácio Batista Júnior

Segue abaixo o regulamento:

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA – IFSP-HTO

Segue abaixo os anexos editáveis:

ANEXO I - Termo de Compromisso do Estágio - ATUALIZADO EM NOVEMBRO DE 2020

ANEXO II - Credenciamento de Estagiário (a)

ANEXO III - Formulário de Aceite do(a) Professor(a) Orientador(a)

ANEXO IV - Carta de Apresentação 

ANEXO V - Plano de Atividades

ANEXO VI - Folha de Estágio

ANEXO VII - Relatório Parcial

ANEXO VIII - Ficha de Avaliação do Estagiário

ANEXO IX - Relatório Final

ANEXO X - Termo de Rescisão

ANEXO XI - Termo de Convênio

O TCC constitui-se numa atividade curricular obrigatória, de natureza científica, em campo de conhecimento que mantenha correlação direta com o curso. Deve representar a integração e a síntese dos conhecimentos adquiridos, expressando domínio do assunto escolhido.

Assim, os objetivos do TCC são:

  • consolidar os conhecimentos construídos ao longo do curso em um trabalho de pesquisa ou projeto;
  •  possibilitar, ao estudante, o aprofundamento e articulação entre teoria e prática;
  • desenvolver a capacidade de síntese das vivências do aprendizado.

Dentre as atividades que podem ser contempladas no TCC, estão:

  • elaboração de projetos, voltados para a Educação Básica, envolvendo o estudo do conteúdo, aspectos históricos e uso de recursos tecnológicos;
  • levantamento e análise de livros didáticos sob uma perspectiva crítica e teórica;
  • análise do planejamento das atividades didáticas observadas em sala de aula e discutidas com os professores das escolas visitadas durante o estágio supervisionado e outras que propiciem a articulação entre teoria e prática;
  • construção de materiais didáticos e paradidáticos;
  • avaliação de softwares e propostas governamentais para a área de Informática Educativa;
  • análise crítica de vídeos e sua utilização em sala de aula e de projetos desenvolvidos pela Secretaria Estadual de Educação, MEC e outras Instituições;
  • trabalho de pesquisa com a finalidade de aprofundamento em algum assunto estudado no curso, ou outro que seja de interesse comum do aluno e de algum membro do corpo docente.

O TCC deve ser concluído até o último semestre do curso. O trabalho pode ser realizado em conjunto com dois professores, um orientador (obrigatório) e um coorientador (opcional), sendo que um deles pode ser externo ao curso. A conclusão do trabalho é feita pela entrega e apresentação de um artigo ou monografia, podendo ser individual ou em grupos de até quatro alunos. Essa apresentação, ou defesa, será diante de uma banca composta por três professores, escolhida pelo professor orientador. O aluno é avaliado como aprovado ou reprovado e só conclui o curso com a aprovação no TCC.

O atual Coordenador de TCC é o professor Marcelo Lisboa Mota que foi escolhido pelo Colegiado do curso no dia 29 de agosto de 2018. 

O regulamento do TCC foi aprovado pelo Colegiado do curso no dia 29 de agosto de 2018. Posteriormente, houve uma atualização do regulamento que foi aprovado pelo Colegiado do curso no dia 07 de março de 2019. 

Segue abaixo o regulamento atualizado: 

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

Segue abaixo os anexos editáveis:

MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

FORMULÁRIO DE PARECER SOBRE TCC

MANUAL DO TCC - PDF

MANUAL DO TCC - ARQUIVOS TEX (ao abrir o link, no canto superior direito clique num ícone com uma seta apontando para baixo para fazer download)

Colegiado 

O Colegiado de Curso é órgão consultivo e deliberativo de cada curso superior do IFSP, responsável pela discussão das políticas acadêmicas e de sua gestão no projeto pedagógico do curso. É formado por professores, estudantes e técnicos-administrativos.

Para garantir a representatividade dos segmentos, será composto pelos seguintes membros:

  1. Coordenador de Curso (ou, na falta desse, pelo Gerente Acadêmico), que será o presidente do Colegiado.
  2. No mínimo, 30% dos docentes que ministram aulas no curso.
  3. 20% de discentes, garantindo pelo menos um.
  4. 10% de técnicos em assuntos educacionais ou pedagogos, garantindo pelo menos um;

Os incisos I e II devem totalizar 70% do Colegiado, respeitando o artigo n.º 56 da LDB.

As competências e atribuições do Colegiado de Curso, assim como sua natureza e composição e seu funcionamento, estão apresentadas na Instrução normativa nº 02/PRE, de 26 de março de 2010.

De acordo com esta normativa, a periodicidade das reuniões é, ordinariamente, duas vezes por semestre, e extraordinariamente, a qualquer tempo, quando convocadas pelo seu Presidente, por iniciativa ou requerimento de, no mínimo, um terço de seus membros.

Os registros das reuniões devem ser lavrados em atas, a serem aprovadas na sessão seguinte e arquivadas na Coordenação do Curso.

As decisões do Colegiado do Curso devem ser encaminhadas pelo coordenador ou demais envolvidos no processo, de acordo com sua especificidade.

O colegiado do curso de Licenciatura em Matemática será constituído no primeiro semestre de 2017. 

Segue a série histórica da composição do Colegiado:

Portaria de nomeação n º 0013/2017, de 23 de Março de 2017;

Portaria HTO.0102.2018, de 14 de dezembro de 2018;

Portaria HTO.0030.2019, de 02 de abril de 2019;

 

Eleição de representante discente para o colegiado do curso - 2019

No período de 11 a 15 de março de 2019 poderão se inscrever os discentes interessados em compor o Colegiado do curso de Licenciatura em Matemática 2019.  No período de 18 a 22 de março de 2019 os candidatos inscritos farão campanha eleitoral. No dia 27 de março de 2019 será realizada a eleição. O resultado das eleições será divulgado no dia 28 de março de 2019.

Maiores informações no EDITAL IFSP/CCLM HTO-COLEGIADO DO CURSO 01/2019: CLIQUE AQUI

 

Inscrições Homologadas - Eleição Representante Discente Colegiado 2019

Allan Clayton dos Santos (turma: 1º semestre de 2018)

Ivani Lucimar de Carvalho (turma: 1º semestre de 2019)

Murilo Teixeira da Silva Santos (turma: 1º semestre de 2019)

Mirella de Almeida Villas Boas (turma: 1º semestre de 2017)

 

Resultado Oficial da Eleição Para Representante Discente Colegiado 2019 (27 de março de 2019) 

Ivani Lucimar de Carvalho (turma: 1º semestre de 2019) Eleito Titular

Murilo Teixeira da Silva Santos (turma: 1º semestre de 2019) Eleito Titular

Allan Clayton dos Santos (turma: 1º semestre de 2018) Eleito Suplente

Mirella de Almeida Villas Boas (turma: 1º semestre de 2017) Eleito Suplente

 

Eleição de representante discente para o colegiado do curso - 2018

No período de 05 a 09 de Março poderão se inscrever os discentes interessados em compor o colegiado do curso de Licenciatura em Matemática.  Maiores informações no edital.

 

Inscrições Homologadas - Eleição Representante Discente Colegiado 2018

Allan Clayton dos Santos (turma: 1º semestre de 2018)

Fabiano Luiz Camargo Junior (turma: 1º semestre de 2017)

Ivan Luiz de Lima (turma: 1º semestre de 2017)

Mirella de Almeida Villas Boas (turma: 1º semestre de 2017)

 

Resultado Oficial da Eleição Para Representante Discente Colegiado 2018 (21 de março de 2018)

1º Allan Clayton dos Santos (turma: 1º semestre de 2018) - 19 votos - Titular

2º Mirella de Almeida Villas Boas (turma: 1º semestre de 2017) - 17 votos - Titular

3º Ivan Luiz de Lima (turma: 1º semestre de 2017) - 6 votos - Suplente

4º Fabiano Luiz Camargo Junior (turma: 1º semestre de 2017) - 5 votos - Suplente

Nulos - 3 votos

Total - 50 votos

 

 

Núcleo Docente Estruturante (NDE)

O Núcleo Docente Estruturante (NDE) constitui-se de um grupo de docentes, de elevada formação e titulação, com atribuições acadêmicas de acompanhamento, atuante no processo de concepção, consolidação e contínua avaliação e atualização do Projeto Pedagógico do Curso, conforme a Resolução CONAES no  01, de 17 de junho de 2010. A constituição, as atribuições, o funcionamento e outras disposições são normatizadas pela Resolução Nº 79/2016 de 6 de setembro de 2016.

A composição atual do NDE está disponível na Portaria de nomeação n º 0028/2017, de 05 de Junho de 2017.