Felipe na formatura do câmpus – Foto do arquivo pessoal do alunoFelipe de Oliveira Vianna Pinto, que cursou no IFSP-Hortolândia o Curso Técnico Concomitante de Informática e o Curso Superior em Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, acaba de ser selecionado em processo seletivo da Amazon Irlanda.

O Câmpus celebra a conquista desse nosso egresso, parabenizando-o e a todos os envolvidos nesses cursos, na docência, na coordenação, no câmpus, e que contribuiram para a sua formação acadêmica.

Não é a primeira vez que o Felipe é motivo de orgulho para o câmpus. Ele já havia sido classificado para um Programa de Bolsas de Estudo Canadá/Brasil em 2016, teve Trabalho de Conclusão de Curso premiado e, em coautoria, artigo aceito para conferência em Portugal.

a seguir, uma breve entrevista concedida pelo Felipe e realizada pela professora Daniela Marques, que acompanhou O processo de seleção, mostrando que os laços estabelecidos entre professores e alunos não se encerram quando os diplomas são entregues no Câmpus Hortolândia.

[Daniela] Como surgiu a vontade de tentar uma oportunidade em outro país?

[Felipe] Na verdade, esse sempre foi um grande sonho, meu e talvez de outros tantos programadores. É até engraçado, pois dias antes dar início no processo eu conversava com um amigo meu sobre onde gostaríamos de trabalhar. Posso dizer que foi uma tremenda coincidência que eles me encontrassem no linkedin e me chamassem para participar do processo*.

[Daniela] Como foi passar por um processo seletivo concorrido como este?

[Felipe] Olha, sem dúvida foi o processo mais longo, desafiador e diversificado que eu já participei. Mas sem dúvida foi melhor deles, o melhor organizado, mais empático e eficiente. Houve entrevista por telefone, pessoal, desafios... Muito em inglês.

Sem dúvida foi muito estressante, estudei horas e horas, tive que abdicar de vários momentos de descanso e percebi o quão pouco eu sei. Ao contrário do que parece, isso me deu muita força, pois abriu a minha cabeça para um universo muito maior. A faculdade ensina como andar, mas no mercado você precisa correr, pular, dançar. Não que você precise dominar todas as tecnologias, o que é impossível, mas dominar os conceitos, quais tecnologias se aplicam a eles e mantê-los sempre atualizados. Essa prática sem dúvida me ajudou no processo.

Todo conhecimento que adquiri nesse curto espaço de tempo já teria valido o esforço, mas sem dúvida não há nada melhor do que ouvir um "We have an offer for you".

Outro momento que eu não vou esquecer foi o dia da última entrevista (realizada pessoalmente): 5 horas interagindo com diferentes grupos de engenheiros e gerentes, em uma língua diferente e respondendo perguntas desafiantes. Nada de "Fale um pouco sobre você".

Desde a paralisia temporária nas pernas no início, até a sensação de alívio e dever cumprido, imensas, parece que se passaram apenas segundos.

Eternidade mesmo parecia a espera pela resposta final.

[Daniela] O IFSP o influenciou de alguma forma para tentar uma vaga desse tipo?

[Felipe] Com vários professores com ampla experiência profissional ou acadêmica no exterior, e o compartilhamento dessas experiências nas aulas, o IFSP desperta a curiosidade e faz parecer bem mais possível algo que parece tão distante, além, claro, de dar várias dicas e alertas de como as coisas realmente funcionam lá fora.

[Daniela] Para as pessoas que compartilham o mesmo sonho você daria alguma dica?

[Felipe] Acho que eu teria algumas:

Corra atrás: INGLÊS! Não sou nenhum nativo, mas é importante entender e saber se expressar. Isso é tão importante para entrevista quanto para o aprendizado.

Saiba: GIT, ALGORITMOS, uma linguagem orientada a objetos, uma linguagem de scripting, um banco relacional e outro não relacional.

Entenda: Redes, conteiners, caching, orquestração, comunicações orientadas a HTTP, otimização de algoritmos.

Acompanhe: Últimas tecnologias, boas práticas, e ferramentas que tragam produtividade.

Quando encontrar uma tecnologia interessante abra a documentação, faça o exemplo do "Hello World". Se encontrar desafios, ótimo, só tem a aprender com eles.

Além disso, uma coisa que eu notei é que eles se atêm muito aos seus princípios, como lidar com situações cotidianas etc. Existem vários artigos dizendo muito mais do que só o que responder na entrevista, eles nos ajudam a repensar a forma com que você trabalha, pra mim foi muito útil.

O Câmpus Hortolândia, deseja muito sucesso ao Felipe!

* Felipe foi contactado por um representante da empresa.