COMUNICADO Nº 001/2016 – CTI/CAE-HTO

 

Coordenadoria de Tecnologia da Informação (CTI) em conjunto com a Coordenadoria de Apoio ao Ensino (CAE) informam que as Normas de Utilização dos Laboratórios de Informática (em anexo neste comunicado) entram em vigor a partir de 28 de Janeiro de 2016. As referidas Normas também poderão ser consultadas no site do Câmpus.

Hortolândia, 26 de Janeiro de 2016.

Rodrigo Alexander de Andrade Pierini

Coordenador de Tecnologia da Informação em Exercício

 

Luciana Rosa Barbosa Lemos

Coordenadora de Apoio ao Ensino em Exercício

Comunicado - CAE/CTI-HTO Nº 001/2016: Normas de Uso dos Laboratórios de Informática (arquivo em PDF, tamanho 106.24 kb)

Coordenadoria de Tecnologia da Informação (CTI) informa que a partir de 18 de abril de 2016 toda solicitação de suporte (instalação, manutenção, prevenção, configuração e correção) deverá ser realizada através do sistema de gerenciamento de chamados GLPI, de acordo com o artigo 11 da “Política de Uso Aceitável das Estações de Trabalho em Rede (arquivo em PDF, tamanho 81.5 kb)" do IFSP.

O uso do GLPI subsidiará o planejamento dos processos com maior eficiência e qualidade através da identificação e prevenção de problemas recorrentes e análises estatísticas dos serviços prestados.

A fim de viabilizar a implantação e melhorar a usabilidade do sistema pelos usuários a CTI capacitou os servidores do câmpus através treinamentos.

Hortolândia, 15 de Abril de 2016.

Carlos Roberto dos Santos Júnior

Coordenador de Tecnologia da Informação

 

 Comunicado Nº 002/2016 – CTI: Sistema de Chamados GLPI (Arquivo em PDF, tamanho 241.27 kb)

Aprovado pelo Comunicado da Direção Geral 10/2015 e em vigor a partir de 24 de Novembro de 2015.

Capítulo I

DOS OBJETIVOS E FINS

Art.1º Este regulamento tem por finalidade estabelecer regras de operação, controle e acesso às imagens do sistema de videomonitoramento das instalações físicas do Câmpus Hortolândia do IFSP.

Art.2º O videomonitoramento das instalações físicas do Câmpus Hortolândia do IFSP está em consonância com os princípios da eficiência da administração pública (artigo 37, CF) e com a necessidade de guarda e controle patrimonial estabelecidos pela Instrução Normativa 205/88 – Sedap.

Art. 3º O objetivo da implantação desse sistema é possibilitar uma ação eficaz de proteção ao patrimônio e às pessoas no Câmpus Hortolândia do IFSP.

§ 1º Tem como finalidade aumentar a eficiência e a redução de despesas de custeio com a prestação de serviço continuado de vigilância e segurança patrimonial;

§ 2º Aumentar a segurança dos bens patrimoniais armazenados ou já em uso pela comunidade nos ambientes do Câmpus;

§ 3º Aumentar a segurança da comunidade através do videomonitoramento de áreas externas, de acesso e perimetrais do Câmpus.

Capítulo II

DA OPERAÇÃO E CONTROLE

Art.4º. O sistema de Segurança Eletrônica e Videomonitoramento será operado pela coordenadoria da Tecnologia da Informação do Câmpus, que terá as seguintes responsabilidades:

§ 1º. Zelar pela manutenção técnica, preventiva e pelo bom funcionamento do sistema;

§ 2º. Acompanhar diariamente o funcionamento do sistema;

§ 3º. Não permitir o acesso de pessoas não autorizadas ao sistema;

§ 4º. Manter arquivo das gravações;

§ 5º. Manter sigilo absoluto do conteúdo das gravações e das imagens visualizadas;

 Capítulo III

DA VISUALIZAÇÃO DAS IMAGENS

Art.5º. A Direção Geral do Câmpus e os membros da coordenadoria de Tecnologia da Informação (CTI) poderão visualizar as imagens de todas as câmeras mediante senha de acesso.

§ 1º. Os vigilantes do Câmpus e os servidores da Coordenadoria de Apoio ao Ensino (CAE) poderão visualizar as imagens das câmeras localizadas nos corredores, estacionamento de veículos e perímetros do Câmpus.

Capítulo IV

DO ARMAZENAMENTO E ACESSO AOS ARQUIVOS

Art. 6º. As imagens permanecerão armazenadas por período de tempo variável em função dos dispositivos de armazenamento, fluxo de movimento das imagens e qualidade de vídeo.

§ 1º. Em condições padrão de qualidade de vídeo os arquivos estarão disponíveis por um período de 14 (quatorze) dias, a contar da zero hora da data de início da gravação.

Art.7º. Somente a Direção Geral e os servidores da Coordenadoria de Tecnologia de Informação do Câmpus terão acesso aos arquivos de gravações mediante senha de acesso.

Art.8º. Somente o Diretor Geral poderá autorizar o acesso às imagens.

Art.9º. O arquivo das gravações poderá ser cedido mediante autorização da Direção Geral do Câmpus para comissões de sindicância interna e investigações policiais a partir de requisição da autoridade competente em que constem expressamente data e intervalo de tempo a serem cedidos e nos seguintes casos:

I – Danos ao patrimônio público e privado;

II – Roubos e furtos;

III – Acidentes;

IV – Perturbação da ordem pública.

Art.10º É assegurado a todas as pessoas que figurem pessoalmente em gravação obtida de acordo com a presente norma, o direito de acesso ao material registrado pelo sistema de Segurança Eletrônica e Videomonitoramento; podendo tal direito ser negado pelo Diretor Geral, quando a filmagem constituir:

I – Ameaça aos direitos e garantias de terceiros;

II – Prejuízo à apuração de atos ilícitos e inquéritos criminais;

III – Perigo à Defesa Nacional ou à segurança pública;

IV – Uma requisição não consonante com o art.9º.

Capitulo V

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Art.11º. A não observância das regras mencionadas acima implicará em processo de sindicância aos responsáveis.

Mais Artigos...